Menu Principal

Secretariado da OEA apoia decisão do Mercosul de suspender a Venezuela

“Democracia e direitos humanos são princípios inalienáveis nas Américas”, disse o órgão em um comunicado.

O secretariado geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) expressou neste domingo (6) apoio à decisão de suspender a Venezuela do Mercosul, de acordo com a “cláusula democrática do Protocolo de Ushuaia”.

“Democracia e direitos humanos são princípios inalienáveis nas Américas, e a sua defesa e fomento são valores fundamentais para a comunidade de Estados que fazem parte da OEA”, diz o secretariado em um comunicado.

A declaração ainda afirma que a decisão adotada ontem pelos governos do Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai “é uma afirmação exemplar em defesa dos princípios que unem nossos países e transmite uma mensagem de esperança e apoio aos venezuelanos que lutam por direitos e liberdade”.

O secretariado ainda reiterou seu pedido para o fim da repressão no país, o estabelecimento imediato de uma calendário eleitoral que inclua eleições presidenciais em 2017, a abertura de um canal para assistência humanitária, a restauração de plenos poderes da Assembleia Nacional, a libertação de prisioneiros políticos, a anulação de todas as atividades da “fraudulenta assembleia nacional constituinte, e o respeito inequívoco pelas instituições democráticas do Estado”.

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, defendeu a permanência do país no Mercosul e criticou a posição de diversos líderes na América Latina, que estariam lutando contra governos populares. A crítica foi feita principalmente para os presidentes da Argentina, Mauricio Macri, e do Brasil, Michel Temer.

“Ninguém vai nos tirar Mercosul e adotar medidas ilegais como as que estão sendo tomadas”, disse ele à Radio Rebeld, emissora argentina. A entrevista, entretanto, foi gravada antes do bloco anunciar sua decisão de expulsar o país.

O presidente Michel Temer (PMDB) divulgou, em sua conta no Twitter, um vídeo sobre a suspensão da Venezuela pelo Mercosul e disse que o país será recebido “de braços abertos” pelo bloco quando estiver de volta à democracia. “Nossa mensagem é inequívoca, não há mais espaço para alternativas não democráticas na América do Sul”, afirmou.

Fonte: Gazeta do Povo

Compartilhe:

Deixe um Comentário

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>